19
Jun 14
19
Jun 14

BRASIL: UM PAÍS JOVEM

BRASIL: UM PAÍS JOVEM

 

Nós costumamos dizer que o Brasil é um pais jovem com 514 anos de história. Na verdade, a história do país tem 206 anos, a partir da vinda da família real portuguesa, em 1808, pois durante 300 anos, o nosso país continente se resumia a grandes fazendas, cheias de escravos, que produziam açúcar e outros produtos para subsistência e cujas leis eram determinadas pelos fazendeiros, que faziam e aconteciam. Eles eram os delegados, os promotores e os juízes, tudo numa mesma pessoa.  As tentativas de colonização ficaram restritos à costa litorânea, seja pela dificuldade de enfrentamento das grandes matas fechadas e das grandes barreiras de montanhas, seja pela presença de índios hostis, que não aceitavam o contato com o branco. A partir do século XVIII o descobrimento de veios auríferos deu origem ao ciclo do ouro em Minas Gerais, que levou populações para povoar as serras gerais.

Em 1808, a cidade do Rio de Janeiro, que era a maior cidade do país, contava com aproximadamente 60.000 almas, sendo a sua maioria negros escravos. Não havia estradas, nem ferrovias, nada. Qualquer forma de interiorização era feita pelos rios, em pequenas canoas, usadas pelos bandeirantes paulistas para desbravar o sertão em buscas de pedras preciosas e da caça aos índios, que eram vendidos como escravos nos “grandes centros” de então.

As grandes cidades do interior de hoje, são em sua maioria, cidades jovens, com menos de um século de história, que começaram o seu processo de crescimento há menos de 60 anos, quando finalmente houve um esforço para se interiorizar o país, cortando o país com rodovias e estradas de ferro em sentido ao sertão.

Portanto, somos realmente um país muito jovem, ainda em construção, com hábitos e culturas ainda muito incipientes, num processo de “fazimento”do país.

Quando Lula assumiu o governo, em 2002, trazia em seu bojo o desejo e a esperança da população, de que agora teríamos um dos “nossos”, um homem do povo, uma pessoa que tinha uma aura de metalúrgico, de líder sindical, que se orgulha de ter estudado até a quarta série primária, que fala de política usando a linguagem e as metáforas do futebol e que, mesmo assim, tem um certo carisma e uma liderança naturais.

Quando houve a descoberta do petróleo do pré-sal, finalmente o Brasil tinha tirado a sorte grande, pois teríamos uma das maiores reservas do líquido precioso do planeta, seria uma riqueza quase inesgotável, que nos permitiria sair de nossa condição de terceiro mundo para sermos alçados ao primeiro mundo, sem escalas.

Neste contexto, a realização da Copa do Mundo em 2014 e das Olimpíadas no Rio de Janeiro, em 2016, seriam nada mais do que a coroação desse Brasil Grande, rico, pujante, grandioso, com estádios luxuosíssimos, com avenidas largas cortando as cidades sede da Copa, com metrôs de superfície deixando o torcedor na porta dos estádios, etc.,

Porém, aos poucos, essas ilusões foram sendo desfeitas, uma a uma. O petróleo realmente está lá, a 7000 a 8000 metros de profundidade, embaixo de uma grossa camada de sal no fundo do oceano, num desafio tecnológico gigantesco, para se conseguir extrair o produto. A Petrobrás, mal gerenciada e com suas diretorias tomadas por afilhados políticos, perdeu totalmente o prumo e a capacidade de investir as dezenas de bilhões de dólares necessárias para se desenvolver a tecnologia de extração em níveis profundos, graças ao uso político da empresa por Dilma, que mantém o preço dos combustíveis congelados, numa vã tentativa de segurar a inflação que teima em permanecer no teto de 6,5% ao mês. E isso oficialmente, pois até esse índice está perdendo a credibilidade, com o IBGE sendo manipulado pelo governo também.

Ao manter um sistema de distribuição de renda forçada, fornecendo bolsas famílias para milhões de pessoas, o governo está tirando a dignidade e o estímulo para as pessoas saírem da situação de miséria em que vivem, criando uma geração acomodada, que não precisa trabalhar nem estudar, pois o sustento é fornecido pela “mãe” Dilma, num processo de compra de consciência e de voto que tenta eternizar esse sistema, através da ameaça de que se não votar na Dilma e no PT, tudo isso acaba.

Ao emprestar dinheiro a juros subsidiados do BNDES para empresas de amigos, como as empresas “X”de Eike Batista e as empresas JBS Friboi o governo petista tentou criar empreendimentos capitalistas, imitando o modelo chinês, onde somas vultosas de dinheiro oficial, do Tesouro, tentaram criar grandes conglomerados. A primeira empresa, a de Eike, já fez água por todos os lados e está afundando rapidamente. A segunda apresenta um crescimento irreal, sem lastro, e deve ter o mesmo fim. E nós todos, que somos os donos do BNDES,  ficamos com o prejuízo todo no final das contas.

Dilma tentou a todo custo combater a inflação e os juros, baixando a Selic por decreto, dando desconto de 20% na conta de energia elétrica e segurando artificialmente o preço dos combustíveis. Isso é mais uma das demonstrações de despreparo total para o cargo de nossa gerente.

Quando digo que nosso país é muito jovem, é porque nossas instituições políticas são muito precárias. Desde a nossa independência de Portugal em 1822, tivemos um português, Dom Pedro I que foi nosso primeiro mandatário. O seu filho, Dom Pedro II, foi um brasileiro que verdadeiramente amou este país e muito contribuiu para o desenvolvimento de nosso país, na economia, cultura, na saúde e em outras diversas áreas. Foi um imperador que foi amado e respeitado por seus súditos, por mais de quarenta anos, quando foi apeado por um golpe militar que implantou a República em 1889.

Por todo o século passado, nos seus primórdios, tivemos o predomínio político de lideranças mineiras e paulistas, na chamada política do “café com leite”, oligarquias que governaram apenas para satisfazer suas necessidades econômicas e políticas.  Tivemos diversos golpes de estado e quarteladas, a primeira de Getúlio Vargas, em 1930 e que em 1937 implantou um sistema ditatorial, o Estado Novo. Até 1964, tivemos diversas crises que desaguaram no golpe militar que governou o país por 21 anos. Desde 1985, estamos finalmente tentando um sistema democrático, com eleições em todos os níveis, com certa liberdade de imprensa e de expressão. Mas, sempre fica a sensação de que tudo isso é muito frágil, de que a qualquer momento, isso pode vir por água abaixo, pois nossas instituições são muito instáveis e mal ajambradas.

O Brasil hoje está cercado por ditaduras de esquerda, na Bolívia de Evo Morales, na Venezuela de Hugo Chaves e do seu caricato substituto, Nicolás Maduro, na Argentina de Cristina Kirschner e tantos outros, que tomaram o Estado para si e seus asseclas, que calam a imprensa, que conduzem a economia a seu bel prazer, como o socialismo bolivariano, numa condução desastrosa que está causando total desabastecimento de produtos básicos. Enquanto o mundo todo já compreendeu que o sistema socialista não dá certo, que acabou com a queda do muro de Berlim, temos essas republiquetas esquerdistas latino americanas na contramão, e, o que é pior,querendo ser imitado por Dilma, Lula e o PT.

Cabe a nós, brasileiros, resgatarmos essa nossa instituição jovem, a democracia, e darmos um basta em tudo isso que está sendo colocado goela abaixo por esse governo petista. Não precisamos chamar os militares para saírem dos seus quartéis para apearmos os nossos governantes e os políticos que aí estão. São nossos representantes, que nós colocamos no poder através do nosso voto, quatro anos atrás. Cabe a nós agora, democraticamente, darmos um cartão vermelho para eles todos e mandá-los para casa, para o chuveiro.

E viva a democracia!

publicado por drtakeshimatsubara às 14:51 | comentar | favorito
14
Jun 14
14
Jun 14

DILMA ROUSSEF

DILMA ROUSSEF

 

O Brasil está há quatro anos sob o governo de Dilma Roussef, indicada por seu antecessor, Lula, para ocupar o cargo máximo do país.

Diante do esfacelamento político de todas as possíveis lideranças que um dia poderiam suceder a Lula, tais como José Dirceu, Antonio Palocci, José Genoíno, e tantos outros, que ficaram pelo caminho, queimados por escândalos e graves acusações de corrupção, abuso de poder, enriquecimento ilícito e tantos outros, quando terminou o seu segundo mandato, não havia outro nome a quem Lula pudesse indicar para lhe suceder.

A gerentona, que tratava seus subordinados aos berros, passando descompostura em todos os seus auxiliares, mas nunca havia disputado um cargo eletivo, nunca tinha passado pelo teste das urnas, era um verdadeiro poste, que passou pelo processo de transferência da popularidade de Luis Inácio e se elegeu presidente da Republica. Esta mulher chega agora ao final do seu mandato, tendo que se esconder na cerimônia de abertura da Copa do Mundo, com medo de ser vaiada pela população brasileira.

O que aconteceu?

A grande verdade é que o PT nunca permitiu o surgimento de lideranças, pois todos idolatram  Lula, como seu grande patrono e líder único, insubstituível, soberano, um grande cacique no meio de tantos índios. Um grande timoneiro, que não pode ser ofuscado por nenhuma liderança outra.

Uma pessoa que passou a vida pisando nos seus subordinados, mas obedecia bovinamente ao seu chefe, quando passou a ser a maior autoridade do país, ficou totalmente perdida, sem saber o que fazer com tanto poder. E Dê-lhe meter os pés pelas mãos. Nomeou uma equipe quase toda remanescente do governo anterior, um ministério que prestava continência à Lula e não a ela própria.

De início, quando começaram a pipocar as denuncias de corrupção no seu ministério, demitiu diversos deles, dando a impressão de que seria um governo ético e preocupado em combater a corrupção, praga que grassou livremente no governo anterior. Porém, ao oferecer o ministério ao mesmo partido que antes a ocupava, trocava-se a figura de proa, mas a prática continuava a mesma, com os ministérios servindo como mecanismo para formar o caixa dos partidos e para enriquecimento de seus membros.

Talvez um dos maiores equívocos de Dilma tenha sido na composição de sua equipe econômica. Ao nomear Guido Mantega como ministro de Fazenda, e substituir Henrque Meireles no Banco Central por Alexandre Tombini, ambos muito fracos e sem catimba para ocupar tão altos cargos, ela selou o destino do país, que apresentou nesses quatro anos, o menor índice de crescimento econômico em todos os tempos, só se comparando com o de Floriano Peixoto, o segundo presidente da República, que governou um país quebrado pela troca do sistema político, pela mudança drástica da economia da época.

O Brasil, que viveu nos últimos anos do governo Lula, a ilusão de que finalmente se tornaria um país de primeiro mundo, voltava à dura realidade de ter que lidar com inflação em alta, economia em baixa, estradas entupidas, portos congestionados, enfim, um país de desgoverno.

A Copa do Mundo, quando Lula conseguiu convencer a FIFA a realizá-la em nosso país, em 2007 deveria ser o coroamento do Brasil Grande, um momento de apoteose, onde todos os estrangeiros ficariam surpresos com um país moderno, com aeroportos todos reformados, com avenidas largas, com metrôs de superfície, com estádios de primeira etc. Ficou quase tudo só na promessa. A falta de gerenciamento e de seriedade fez com que quase todas as promessas de infraestrutura ficassem no papel ou inacabadas, sem prazo para terminar. Para poder terminar os estádios, um grande esforço foi feito, com muita corrupção e com os orçamentos iniciais sendo inflados de maneira sem fim, a legislação trabalhista sendo jogada no lixo, com operários morrendo por falta de condições de segurança, tudo num esforço gigantesco para, pelo menos, poder entregar os estádios a tempo de se poder jogar a Copa. Todo o entorno dos estádios ficou para depois.

As pesquisas eleitorais têm mostrado uma queda contínua da popularidade de Dilma, hoje em torno de 33%, enquanto aumentam a popularidade de Aécio Neves e Eduardo Campos. Com isso, existe uma grande ala dentro do PT e de partidos aliados, que tem insistido no “Volta LULA”.  Porém, a popularidade de Lula também não anda tão alta, como antigamente, e ele corre o risco de, se providenciada a mudança na cabeça de chapa, ele e o PT se queimarem para sempre no jogo eleitoral e não conseguirem vencer estas eleições de outubro de 2014. Por isso, Lula tem resistido em aceitar a disputa eleitoral nesta eleição. Se ganha um governo do PSDB ou PSB, qualquer que seja o vencedor, teremos tempos difíceis no pais para colocar a casa em ordem, visto que as instituições que compõem o Estado estão todas anarquizadas, com a presença maciça de militantes petistas em vários níveis de direção dos ministérios e das empresas estatais. Em caso de fracasso do governo Aécio Neves ou  Eduardo Campos, em 2018, Lula teria as portas abertas para voltar, como salvador da Pátria, para reconduzir o pais por mais oito anos.

Porém, mesmo diante de todas estas constatações,  o comportamento do público, na cerimônia de abertura da Copa do Mundo, no Itaquerão, em São Paulo, foi lamentável. Num primeiro momento, ao saber pela imprensa dos xingamentos e ofensas proferidas contra nossa presidente, pensei: Bem, ela fez por merecer. Mas amadurecendo um pouco melhor a ideia, a gente se dá conta de que a conduta dos torcedores excedeu os níveis de civilidade e de respeito que nós temos que ter com os entes públicos, por mais que não gostemos deles. Ao mandar “tomar no c.” a nossa presidente, numa cerimônia transmitida para o mundo todo, com a presença de presidentes de outros países, da ONU e da FIFA, e principalmente de sua filha, nós brasileiros, mostramos o quanto somos um país incivilizado, que não sabe se comportar adequadamente em público. Nós temos os nossos canais para manifestarmos nossas insatisfações, que são as urnas. Vamos reprovar Dilma Roussef, mandando-a para casa, votando nos candidatos adversários dela. Mas sem perder a compostura e a nossa linha.

Dizem que a democracia não é o melhor sistema político, mas é o que, no momento temos de menos imperfeito, o que é possível para obtermos os melhores resultados para todos. Vamos democraticamente, promover a alternância de poderes, para que o país possa experimentar outro tipo de governo, outra forma de lidar com a coisa pública, de administrar com responsabilidade o bem comum, que não é meu, mas pertence a toda uma coletividade. E vamos parar de acreditar em salvadores da Pátria, em intervenção do Exército e outras formas não democráticas, golpistas,  pois nós já experimentamos no passado e vimos que não dá certo, no médio e longo prazo. E que o poder que nós concedemos para nos governar, acaba se voltando contra nós mesmos. Chega de milagres. Vamos dar um passo de cada vez.

publicado por drtakeshimatsubara às 14:54 | comentar | favorito
10
Jun 14
10
Jun 14

EU E O PT

EU E O PT

 

Por mais de quinze anos, fui simpatizante e depois, por 5 anos, fui militante do Partido dos Trabalhadores.

Fiz a minha Faculdade de Medicina em Santo André, SP, na região do ABC paulista, berço do Partido. Lá, via helicópteros do Exército, armados de metralhadoras, que sobrevoavam a cidade, e tentavam amedrontar os participantes das assembleias de metalúrgicos de São Bernardo do Campo, que eram realizadas no Estádio Baeta Neves, num movimento que desafiava o poder instituído, nos estertores da ditadura militar. Aquele movimento do Sindicato de São Bernardo, onde Lula era seu presidente, deu origem ao PT, formado em sua origem por dirigentes sindicais, professores universitários, padres, enfim, idealistas que sonhavam com um mundo melhor,  mais justo, mais humanizado, mais ético.

Durante 12 anos, Lula tentou se eleger presidente da República. Perdeu para Collor e depois duas vezes para FHC. Finalmente, em 2002, após escrever um Manifesto para o Povo Brasileiro, e afirmar em documento que não iria mudar os rumos da economia, que não implantaria o socialismo, pedra fundamental do Partido, foi eleito Presidente da República.

Com o poder, tudo aquilo que os petistas sempre combateram, tais como os políticos oportunistas, como Jader Barbalho, Renan Calheiros, Paulo Maluf e José Sarney, e outros do mesmo naipe, tornaram-se seus principais aliados. Em nome da tal governabilidade, o Partido de esquerda se aliou a uma miríade de partidos políticos, legendas de aluguel que sói acontecer na República Brasileira. Para poder votar emendas e leis do seu interesse, cooptou uma base aliada, pagando mensalões para líderes dos tais partidos aliados, que os distribuíam aos deputados e assim, poder governar. Isto foi denunciado por Roberto Jefferson, dando origem a um escândalo de corrupção, cujos desdobramentos não terminaram até os dias de hoje.

Há 12 anos no poder, o Partido dos Trabalhadores finalmente começa a mostrar a sua verdadeira face, tentando implantar mudanças que fazem parte de sua ideologia de origem, tais como o socialismo, a distribuição de rendas, a estatização dos meios de produção, a destruição da burguesia (classe média) e outras atitudes.

O Fórum de São Paulo, realizado em 1990 naquela cidade, deu origem a um movimento das esquerdas latino-americanas, que uniram forças e fizeram uma aliança, para poder alcançar o poder nos respectivos países. Foi dali que surgiram Hugo Chaves, Cristina Kirschner,  Evo Morales, Lula, e outros líderes que hoje governam a maioria dos países deste continente.

Com o poder nas mãos e o dinheiro do Tesouro para ser distribuído a seu bel prazer, Lula e depois Dilma, tem promovido uma lenta mudança no país, financiando empresários como Eike Batista, os irmãos donos do JBS-Friboi, financiando empresas dos amigos do rei, numa tentativa de promover um capitalismo à La chinesa, tentando criar empresas fortes financiadas pelo BNDES, que, no final, não tem dado em nada, gerando grandes perdas para o país e para os brasileiros, os verdadeiros donos dos bilhões que compõem o Banco de fomento.

Assim, aos poucos, o PT vai promovendo mudanças no país, instituindo mudanças na economia, no assistencialismo, com farta distribuição de bolsas famílias, bolsas educação, com instituição de cotas raciais, com leis criminalizando a homofobia, etc.

Hoje, aos 51 anos de idade, muitas das minhas utopias sobre um mundo melhor, ficaram pelo caminho. A crença de que pelo sistema político seria possível mudar o país e o mundo, transformá-lo num lugar melhor, foi perdido. E assisto, desencantado, o Partido dos Trabalhadores se tornando um dos mais corruptos da história do Brasil, desperdiçando recursos públicos, tentando promover uma censura dos meios de comunicação, através do poder econômico e agora, através de uma Medida Provisória, instituindo um poder paralelo, à moda dos sovietes russos do século passado, com a chamada “participação popular” de entidades ditas representantes do “povo”, como MST, MTST, CIMI, tomando assento em todos os níveis diretivos das empresas estatais e das instituições públicas, num modelo ditatorial, camuflado em palavras bonitas, que pregam a tal participação popular.

Quando impuseram o “Mais Médicos”, toda a legislação que existia sobre o trabalho de médicos estrangeiros foi jogada no lixo, bem como as instituições da classe médica, como os CRM  e CFM, fornecendo uma licença para médicos estrangeiros poderem atender a população, sem que os mesmos possam ser avaliados e punidos pelos conselhos, como acontece com os médicos brasileiros. Eles recebem uma licença diretamente do Ministério da Saúde, um CRM de mentirinha, para poder atuar no país.

Causa-me um grande medo do futuro, de até onde nós poderemos chegar. As nossas instituições, como a OAB, estão inertes, permitindo que o governo tome as medidas descabidas, sem que nenhum protesto seja ouvido. A instituição máxima do poder judiciário, o Supremo Tribunal Federal, foi em sua maioria nomeada por Lula e por Dilma. Tem demonstrado uma total subserviência ao Partido dos Trabalhadores e a Dilma. O Legislativo, com a ampla maioria no Senado e na Câmara, tem votado todos os absurdos que para lá são encaminhados pelo Executivo, numa total submissão. ISTO É DITADURA!!!! Um país com a dimensão continental, com 200 milhões de habitantes, e que saiu há 30 anos de uma ditadura militar, está vivendo uma ditadura de esquerda. Que nós ajudamos a eleger e a colocá-lo onde está.

Cabe agora a nós, democraticamente, através do voto, tentar dar um fim em tudo isso, no dia 3 de Outubro de 2014, não permitindo que isto se perpetue por mais  4 anos. Senão... Que Deus tenha piedade de nós!!!

publicado por drtakeshimatsubara às 21:00 | comentar | favorito