GRATIDÃO

GRATIDÃO

Quando atingimos certa idade, passados meio século de vida, o nosso passado começa a se tornar preponderante, sobre o nosso futuro. Andei pensando ultimamente no que me tornei e quantas pessoas estiveram envolvidas nesse meu processo de crescimento.
A nossa razão de viver, Aquele que governa a nossa vida e participa em todos os segundos de nossa vida, muitas vezes passa despercebido, em virtude de nossa ignorância. Eu passei a vida acreditando de forma meio vaga, que existiria um Deus, que governa nossas vidas, mas não tinha dimensão do seu Amor e do quanto ele age em nossas vidas, nos conduzindo e colocando anjos em nossos momentos de dificuldade e dor. Ele realmente é o Senhor de nossas vidas e nos Ama, motivo pelo qual, nossa maior gratidão deve ser para com Ele.
Os meus pais passaram pelos horrores da Segunda Guerra Mundial. Viveram e se casaram quando viviam na Mandchuria, uma província chinesa que havia sido anexada pelo Exercito Imperial Japonês na Guerra entre a China e o Japão de 1937. Era uma região extremamente rica em minérios, carvão e petróleo, além de ter um solo dos mais férteis do mundo. Mas havia sido tomado dos chineses à força e ao final da guerra, com a derrota do Japão, teve que ser devolvido. Minha mãe contava que eles tiveram que fugir em um trem de carga, naqueles vagões de carregar minérios, sem teto, numa época de frio, chuva e neve. Nessa ocasião, minha segunda irmã, de poucos meses de idade, morrera acometida de pneumonia. Minha mãe contava que ela não pudera ser enterrada dignamente, sendo praticamente abandonada nos trilhos do trem. Contudo, mesmo com essa história triste, meus pais me ajudaram a ser o que hoje sou. Passaram valores morais e éticos, dos quais só vim a ter dimensão de sua grandeza, após eles terem ido para o céu.
Outras pessoas a quem devo muito são meu irmão Ryuiti e minha cunhada Ritie, bem como todos os seus filhos. Pela tradição japonesa, o irmão mais velho assume a responsabilidade de cuidar dos pais e dos irmãos mais novos. Pois ambos, recém-casados, numa época de extrema dificuldade financeira, me enviaram para São Paulo, para estudar, pagando minhas despesas com muita dificuldade, muitas vezes abrindo mão do pouco que tinham, para que eu pudesse pagar as mensalidades das escolas. Ao longo de suas vidas, sempre estenderam um olhar cuidadoso para todos nós, ajudando-nos e velando para que pudéssemos empreender nosso próprio caminho. Através de meu sobrinho Edson Takashi, segundo filho deste casal, pude conhecer o movimento campista da igreja católica, fato que mudou completamente a minha vida e a maneira com que eu me relaciono com o mundo e com Deus.
Quando passei na Faculdade de Medicina do ABC, uma escola particular, logo vieram as dificuldades para pagar as mensalidades, que eram caras. Como meu irmão não havia conseguido mandar dinheiro para pagar as mensalidades, no terceiro mês de atraso, fui chamado para a tesouraria, sendo impedido de fazer a prova de Anatomia. Quando voltei para a sala para pegar meu material e ir embora, surge a Dona Rumika Watanabe, uma senhora de uns 50 anos de idade, que não pudera fazer medicina na juventude pois tivera que assumir sua família e suas irmãs mais jovens, devido à morte prematura de seu pai. Casada com um rico dono de um entreposto no Ceasa e com os filhos criados, ela finalmente havia conseguido realizar o sonho de estudar medicina. Quando soube da minha dificuldade, ela foi comigo na tesouraria, pagou todos os meses em atraso e me disse que aquilo era um presente. Ela foi uma pessoa crucial, um anjo enviado por Deus, para me salvar naquele momento e permitir a minha caminhada, para me formar médico. Esta história os meus filhos estão carecas de saber, de tantas vezes que contei para eles. Contei recentemente para os meus amigos da faculdade, quando comemoramos 30 anos de formatura.
Saindo de casa para estudar fora, fui acolhido na Casa de Estudantes Harmonia, em São Bernardo do Campo, entidade mantida pela colônia japonesa, com auxílio de diversas instituições empresariais e bancárias japonesas. O seu diretor, Tsuguio Watanabe, foi um dos meus mestres, que já mereceu um texto todo dedicado a ele aqui neste blog. Foi sem dúvida, junto com sua esposa Dona Elisabete, pessoas fundamentais para a minha formação cultural e moral. Com eles, pude aprender muito da cultura e tradições japonesas e de sua importância em nossas vidas.
Quando terminei a faculdade de medicina e passei na residência médica de pediatria, fiquei sem ter onde morar. Foi quando a minha irmã Keiko e meu cunhado Toshio Akagui ofereceram um teto, onde pude morar por dois anos. Trabalhava na residência e dava vários plantões, quando voltava para a casa de minha irmã, tinha um monte de roupas brancas para ela lavar. Foram anjos enviados por Deus para me acolher, quando eu não tinha condições de bancar com um apartamento, pois o salário da residência era muito baixo. Acolheram um sem teto em sua casa.
Quando cheguei em Dourados, poucos anos depois, pude conhecer o Dr. Archiduque Fernandes, pediatra e homeopata. Quando começava a fazer o curso de homeopatia em São Paulo, fiquei vários meses estagiando com ele, quando aprendi vários macetes e “pulos do gato”. Era um homem totalmente desapegado da matéria, um grande idealista e u homem honestíssimo, com quem pude aprender muito, nos vários anos de convívio que pude desfrutar com ele. Também escrevi dois artigos sobre ele neste blog.
Outra pessoa que me ajudou sobremaneira foi o Dr. Alaércio Abrahão, advogado, idealista e sonhador, pessoa do mais alto gabarito e honestíssimo. Fomos secretários do governo Tetila juntos e sempre que podia, ia procura-lo, para pedir conselhos. Suas palavras foram fundamentais para me livrar de diversas armadilhas.
Um padre surgiu em nossa vida, quando fizemos acampamento na igreja católica. Tive a minha experiência em Campo Grande, mas devido `a distancia, optamos por trabalhar aqui em Dourados. Foi quando pudemos conhecer o padre Gregorius Olapito Wuwur, um baixinho, que fala tudo “elado” mas de uma espiritualidade incomensurável. Pudemos aprender muito com ele, principalmente a importância de se viver em comunidade, do amor a Deus, da formação religiosa e, principalmente moral. Com as orientações de Padre Gregorius, o nosso casamento deu um salto qualitativo.
Finalmente, a pessoa que se tornou a minha melhor amiga, minha companheira, minha confidente, minha amante: Silvia. Com ela, construímos um mundo, um lar estável, uma família maravilhosa. Ela me deu três filhos maravilhosos, Luciano, Ana Carla e Ana Carolina, nossos maiores tesouros. Suportou dignamente muitos momentos difíceis, nunca deixando que eu fraquejasse ou vacilasse. Mulher forte, de temperamento calmo, fala macia. Nos quase 30 anos que a conheço, não me lembro de tê-la ouvido elevar o tom de voz, nem comigo, nem com os filhos. Superamos juntos muitas armadilhas e momentos críticos. Mas sempre estivemos juntos na construção de nossa família. Com ela, aprendi a ser fiel, a importância do respeito, de que o amor é um sentimento que deve ser cultivado todos os dias, que ele nunca morre, se cuidarmos com carinho um do outro. Tornou-se a pessoa mais importante em minha vida, a companheira que Deus me enviou para abençoar a nossa casa e a nossa vida. Cada minuto passado ao seu lado foi importante. Consegui melhorar muitos dos meus defeitos graças à atenção e cuidado dela, chamando a atenção de maneira carinhosa, orientando-me para o cuidado com os filhos, a maneira certa de falar com eles, os momentos em que eles estavam precisando de atenção, enfim, transformando-me num ser melhor.
Depois que eu fiz o acampamento da igreja, uma grande quantidade de amigos e irmãos de fé passaram a fazer parte de nossas vidas, permitindo a mim e a minha família o convívio em comunidade. Esses irmãos, têm feito uma enorme diferença, pois têm sido os amigos que eu sempre sonhara conquistar e que agora fazem parte de nossas vidas, com toda a plenitude que a amizade, calcada em valores cristãos, nos têm permitido.
Obrigado a todos que fizeram parte de minha vida e de minha história. Cada um, deixou uma marca, uma influência, de tal maneira que hoje eu sou a somatória, um mosaico feito da presença de cada um de vocês em minha vida. Muito obrigado !
publicado por drtakeshimatsubara às 12:37 | comentar | ver comentários (1) | favorito