O AMOR E A FAMÍLIA

O AMOR E A FAMÍLIA

Estamos vivendo uma era de modernidade, onde tudo muda a cada segundo; as músicas e os cantores que nossos filhos de 13 anos ouvem, são diferentes daqueles de 15 anos. Que é diferente dos de 17, 19, 21, etc. As gerações, que antes eram divididos em décadas, agora o são a cada 2 anos, ou menos ainda.
O conhecimento mundial, demorou 6 mil anos para dobrar, até 1900. No entanto, hoje em dia, a cada 9 anos, todo o conhecimento disponível na internet está dobrando. É claro que existe muita porcaria, mas a quantidade de conhecimento disponível é absurdamente grande, e um profissional, não consegue abarcar todo o conhecimento disponível, mesmo que passasse 24 hs por dia estudando. Um médico, formado há 25 anos, como eu, certamente usa conhecimento adquirido fora da faculdade, através dos congressos, cursos, seminários, revistas técnicas, etc. Se ele estiver usando os medicamentos aprendidos na escola, com certeza, ele está totalmente desatualizado. Por isso, manter-se nessa corda bamba, conciliando jornada de trabalho desgastante, com múltiplos empregos, com cobranças familiares, telefonemas de pacientes fora de hora, plantões em hospitais etc., torna esta profissão de médico um desafio constante. Mas, fazer aquilo que se ama, com toda a energia disponível, torna tudo um desafio gostoso de ser enfrentado.
Viver nesta sociedade moderna, onde tudo acontece muito rápido, onde as mudanças são instantâneas, onde a comida já vem pronta nos fast foods, onde estamos conectados pelo celular, pela internet, pelos satélites, acelera de uma tal forma nossas vidas, que precisamos parar para pensar: Afinal, o que buscamos? Para quê trabalhamos e ganhamos dinheiro? Qual o sentido de nossas vidas?
Cada um deve ter a sua resposta. Para mim, o objetivo da vida foi construir uma família.
Da mesma forma que amamos nosso trabalho, amamos nossa família, as pessoas que nos são caras. Quando nos casamos, escolhemos, dentre bilhões, aquele(a) ser que nos completa, que acelera os batimentos do nosso coração, que eriça nossos pelos ao toque, cuja felicidade, nos torna felizes também.
O grande problema da sociedade de hoje, é que, quando uma grande parte das pessoas se casam, elas não tem certeza do que estão fazendo. Alguns escolhem por causa da beleza física; outros, pensando na conta bancária do(a) parceiro(a); outros ainda, por causa de uma atração física ,de uma química sexual que julgam perfeita. Quando escolhem por estes critérios, na maioria das vezes, eles caem do cavalo e o casamento não dura.
Como dizem os engenheiros, o segredo de uma boa casa está na fundação. Se não tiver bases firmes, se não estiver sustentada na pedra, as estacas não conseguem segurar o peso da casa. Quando construímos uma relação, precisamos de uma boa fundação. É o amor. Um casamento baseado no amor, torna tudo mais fácil, pois ela gera bons frutos; filhos gerados com amor, são crianças felizes, seguras, completas, que têm noção do limite, do respeito, da confiança mútua, encaram a vida e o mundo com clareza, com a certeza de que viver é uma coisa prazerosa, aprendendo desde pequenos a enfrentar a vida com otimismo. Quando vêm as dificuldades, sabem como enfrentá-los com destemor, pois foram preparados para isso.
O amor é o cimento principal do edifício da vida. O amálgama que une fortemente os membros da família. A força motriz que move o mundo. Sem amor, tudo se torna árido, sem vida, sem alegria ou energia.
O amor envolve também saber dizer não para os filhos, ensiná-los que nem tudo na vida se consegue com um estalar dos dedos, mas sim com luta, com sacrifício, com disciplina.
O amor nos torna menos materialistas. Aprendemos que não é só a forma que é importante, a aparência externa, mas sim o conteúdo. Viver uma vida apenas de riqueza material, conseguida de forma indevida, através do engodo, da corrupção, ou do tráfico, quase certamente não frutificará em amor. E quase certamente, não culmina em felicidade.
O amor enfim, torna nossas vidas menos vazias, mais plenas, completas, cúmplices uns com os outros, pois a felicidade daquele que nós amamos, nos preenche, nos torna felizes também. Existe algo mais gostoso do que ouvir uma risada da pessoa amada?

publicado por drtakeshimatsubara às 01:30 | comentar | favorito