Geisy Arruda e a Uniban

GEISY E A UNIBAN Passei um longo período sem inspiração para escrever. Pensava num assunto, mas o mesmo era repetitivo, já tinha sido discutido em texto anterior. Qualquer assunto que eu pensava, parecia repetitivo. Como o meu tema preferido é adolescência e juventude, passo a tecer algumas considerações sobre o tema. Perdoem-me aqueles que acharem o assunto maçante, mas foi a única inspiração em muito tempo. Estamos passando agora pela fase da adolescência dos nossos filhos, ou seja, da “aborrescência”, como dizem as pessoas. É uma fase interessante, de novo aprendizado, onde técnicas e modos de lidar do passado já não mais se aplicam. É interessante notar que o adolescente de hoje, apresenta um comportamento diferente, daquele de uma década ou mais atrás. O caso da jovem da Uniban de São Bernardo do Campo, Geisy Arruda, aquela do vestidinho curto, mostra que os jovens de hoje, estão se tornando mais conservadores que as gerações anteriores. A minha geração, que vivenciou as mudanças da década de sessenta e setenta, vê com pesar o comportamento desta nova geração. Todas as grandes vitorias do passado, como a liberdade sexual , a igualdade de sexos, os direitos das minorias,a revolução causada pelo uso da pílula anticoncepcional e por ai a fora, parece que está sendo pisoteada por esta nova geração. Ao vaiar e agredir a jovem, porque a mesma estava vestindo uma minissaia, e caminhava rebolando, numa universidade, a mesma foi chamada de prostituta, vagabunda e outros adjetivos. Isto demonstra que a atitude daquela moça não foi aprovada por aquela coletividade. Um fato que passaria despercebido há alguns anos, causou uma repercussão por todo o país. E a reação da direção da universidade foi ainda pior, ao punir a agredida e não os seus agressores, demonstrou que aquela instituição é sectária e conservadora. Discutindo o assunto com meus filhos, mostrei para eles que a forma como o problema foi tratado, mostrou despreparo da direção daquela instituição de ensino. Mas o que mais me impressionou foi a afirmação de alguns alunos, que continuavam achando que Geisy realmente estava errada e sua atitude tinha atingido o bom nome daquela instituição. Ao se avaliar a história da humanidade, vemos que as fases são cíclicas, ou seja, temos momentos de liberalização dos costumes e da moral, seguido por momentos de extremo conservadorismo. São as chamadas fases de sístole e diástole, como o movimento do coração, de contração e dilatação. Não sabemos ainda, se o incidente da Uniban foi um fato isolado, fruto de uma universidade cuja política é oferecer ensino superior de qualidade discutível, a baixo custo, com mensalidades que cabem no bolso das classes média baixa e baixa, cujo público alvo é composto, em sua maioria, de famílias evangélicas, cujo conservadorismo é conhecido, ou se de fato, é o sinalizador de uma geração inteira e seus valores em mudança. Prestando atenção no comportamento dos meus filhos, vejo que os modernos de casa somos eu, a minha esposa e a minha sogra, avó deles, somos todos, de certa forma, mais modernos que os meus filhos e sua geração. Isto é deveras preocupante, pois o esperado é que nós, os mais velhos, sejamos os conservadores e os jovens, os modernos. Esta inversão seria o indicador deque a sociedade que está chegando seria mais conservadora que a anterior. Passado o momento da liberalização dos costumes, poderá estar a caminho uma geração mais conservadora, mais careta enfim. Será que o tabu da virgindade voltará? Vamos aguardar os próximos capítulos...

publicado por drtakeshimatsubara às 20:51 | comentar | favorito