CHANTAGEM

CHANTAGEM

Vivemos uma série de mudanças em nossa sociedade. A principal delas, foi a mudança do papel da mulher, que de dona de casa, partiu para disputar um lugar ao Sol, no mercado de trabalho. Além disso, as famílias puderam diminuir a quantidade de filhos, através do planejamento familiar e do uso da pílula anticoncepcional. Essas mudanças ocasionaram alguns problemas, que poderíamos chamar de efeitos colaterais.
Dentre estes, o mais chamativo para nós pediatras, é a chantagem emocional que os filhos vivem fazendo com seus pais, e que passam desapercebidos pelos mesmos. Como a mãe trabalha fora quase o dia todo, quando ela chega em casa, ela se sente culpada por tudo, desde a doença que atacou o filho, até mesmo pelas malcriações que a criança faz com ela. E com isso, ela fica impotente e sem ação.
Um exemplo claro de chantagem é a do filho que sofre alguma doença, por exemplo, fica internado ou passa por alguma cirurgia complicada. Quando superam essa fase crítica, os pais passam a super proteger, com medo de vivenciar novamente aqueles momentos difíceis, e passam a fazer todas as vontades de seus filhos. Vontade essa que se torna capricho e por vezes, falta de limite e até mesmo, diríamos assim, falta de educação por parte de algumas crianças.
Outra chantagem comum é a criança sentir dor de barriga, principalmente quando ela não quer ir para a escola, ou quando não quer fazer alguma tarefa doméstica. A dor, que aparece em situações específicas e com hora marcada, pode e deve ser desconfiada pelos pais. É preciso ter claro que doença não tem hora marcada para aparecer.
Outro exemplo muito freqüente em nossos consultórios é o da criança que, quando contrariada, começa a chorar e a perder o fôlego. Os pais entram em pânico, achando que o filhinho querido vai morrer, e quando a perda de fôlego ocorre, eles saem em disparada procurando um pronto socorro, isso quando não ficam desesperadas e assopram o rosto, ou jogam água fria, ou jogam a criança para cima, etc. A criança, que não é boba nem nada, percebe que tem os pais em suas mãos e passa a perder o fôlego pelos motivos mais fúteis possíveis. Os pais entram em desespero, querem consultar um neurologista, fazer um eletroencefalograma, uma tomografia do crânio, ou mesmo uma ressonância magnética, confundindo esta forma de chantagem com epilepsia e doenças convulsivas. Passam a fazer todas as vontades da criança, na esperança que ela não chore e não tenha aqueles “desmaios horríveis”. Eu sempre digo que até hoje, nenhum caso de morte por perda de fôlego foi registrada na literatura médica. A criança prende a respiração, causando uma obstrução na glote, de forma voluntária, que causa a cianose (rouxidão) e, algumas vezes, o desmaio. Mas esta é passageira e, quando acontece, naturalmente a musculatura se relaxa e a criança para de se sufocar (perder o fôlego).
Enfim, seja a chantagem qual for, a maneira correta de lidar com elas é simplesmente IGNORAR as mesmas. Antigamente, eu dizia para as mães para que dessem umas “varadas” no sacana, mas hoje, como isso é politicamente incorreto, digo para elas simplesmente saírem de perto, não dar assistência, não oferecer público, pois o que eles querem é ter platéia para assistir suas performances teatrais. Umas duas a três performances sem público e a criança para de ter as crises de perda de fôlego.
Uma coisa que eu pude aprender, nesses vinte e cinco anos lidando com crianças, é que a maioria delas são muito mais espertas do que nós, adultos. Como diziam os antigos, enquanto nós levamos o milhos, eles estão voltando com o fubá prontinho. É preciso desmistificar essa idéia de que TODAS AS CRIANCAS são ANGELICAIS, puras e sem maldades. Assim como existem os adultos puros e inocentes, existem os Fernandinho Beira Mar da vida. E estes, foram um dia crianças. O que cabe a nós, pais e educadores, é tentar fazer com que estes últimos, que eu chamo de crianças com espírito rebelde, sejam realmente educados ou seja, que recebam limite, disciplina e aprendam a diferenciar o bem e o mal, para que, quando se tornarem adultos, tenham os seus instintos animalescos domados, saibam seguir o caminho do bem e da ética. Este é o grande desafio de nossas vidas.
Compreender essas coisas podem ajudar os pais a não mais ficarem nas mãos e sob o controle dos seus filhos ou seja, parar de ser chantageado por eles.

publicado por drtakeshimatsubara às 01:36 | comentar | favorito