ADEUS 2020!

ADEUS, 2020!!!!

Com certeza, viver este 2020 não foi para os fracos e indecisos. Foi um ano em que vivemos um século em um ano. Tivemos em decorrência da pandemia e de suas consequências, um ano completamente diferente de tudo que já havíamos vivido até então. Tivemos que experimentar o isolamento social, que trouxe em seu bojo o medo, a insegurança, o medo da morte, a morte de pessoas próximas e queridas, o luto, que não pôde ser vivido, pois a maioria sequer teve a oportunidade de se despedir de seus entes amados, ficando um hiato, uma pausa mal resolvida, como se de fato, aquela pessoa não tivesse morrido, pois não pudemos fazer um velório e uma despedida a contento. Era de doer o coração assistirmos aos telejornais com cenas de carros funerários passando rapidamente em frente à casa das vítimas, sendo esse o único contato dos familiares com o falecido.
Tivemos as perdas materiais, quase todo o mundo perdeu nesta crise, seja o comerciante, o dono do bar, do restaurante, da agencia de viagens, os hotéis, enfim, a cadeia de serviços praticamente parou de funcionar por vários e vários meses, trazendo em seu cerne, o medo da falência, da perda do emprego, da destruição de um sonho.
Assistimos mais uma vez aos políticos dando mal exemplo, superfaturando a compra de equipamentos, construindo hospitais de campanhas sem nenhum planejamento, desviando dinheiro que fora liberado para a epidemia, utilizando com outras finalidades, muitas delas não republicanas.
Assistimos a divisão de esquerda e direita se acentuando, pois a esquerda pregava o #fiqueem casa, o isolamento social, a vacina, etc., enquanto a direita pregava não ao isolamento, o uso de cloroquina, de ivermectina, e outros, a resistência à vacina chinesa, a não parada da economia.
Assistimos pessoas que continuaram trabalhando em todos os instantes, sem nenhuma interrupção, como os frentistas de postos de gasolina, os entregadores é motoboys, os balconistas de farmácias, os médicos, enfermeiros e funcionários
de casas de saude e hospitais, enquanto outros ficaram em suas casas, trabalhando em home office, por meses a fio. Assistimos meio que incrédulos, o numero de mortos aumentando dia após dia, mês após mês, numa curva que não dá sinais de interrupção, passados mais de dez meses desde o seu inicio. Ficamos com aquela pulga atrás da orelha se de fato todos eles correspondem à verdade, diante dos inúmeros malabarismos que os políticos fazem para justificar o dinheiro recebido para lidar com a pandemia. Da mesma forma que ficamos extremamente desconfiados, ao vermos que a China, país onde se originou a crise, apresenta oficialmente numero de menos de cinco mil mortos, para uma população de um bilhão e meio de chineses!!!!
Todos sabemos que o nosso modo de vida, a nossa roda viva em que estávamos envolvidos, não tinha como acabar bem. Fôramos induzidos a consumir de maneira desenfreada, e os produtos que consumíamos perderam, ao longo do tempo, toda a razoabilidade! Chegamos ao cúmulo de acreditar que precisávamos comprar um Iphone por R$ 14.000,00!!!!!!!! E sem carregador!!!!! E sem fone de ouvido!!!! Que um fone para ele é oferecido por R$7.000,00!!!!!!!Que o automóvel mais barato, um pé de boi de 66 CV chamado Kwid, custe R$50.000,00!!!!!! Uma pessoa que ganhe o salário mínimo precisaria de 14 meses, sem gastar dinheiro com absolutamente mais nada, sem comer, sem pagar a luz, sem comprar roupa, etc., para comprar um celular!!!! Ou 50 meses para comprar o carro mais barato do mercado! Um completo absurdo, uma completa inversão de valores!
Estamos todos assistindo, juntamente com toda essa crise que veio com a pandemia e ao acentuar do egoísmo de alguns, num verdadeiro “salve-se quem puder”, ao fortalecimento das atitudes solidárias, ao aumento das ações sociais, das iniciativas de resgate social, de resgate de animais, enfim, do surgimento de iniciativas cada vez mais firmes e presentes, de ajuda ao próximo. Ao mesmo tempo que alguns se voltam para dentro de si e tentam se isolar da dor externa, uma grande parte da população, ao mesmo tempo que se volta para si, num processo de descoberta, também dirige os seus olhos para fora, para os mais necessitados, estendendo uma mão amiga para aqueles que têm fome, que estão em situação de miséria, de pobreza extrema.
Ao mesmo tempo, tivemos famílias que estavam por um fio resolvendo a situação, se separando, tomando novos rumos. E tivemos famílias que estavam em crise, onde os filhos e os pais não se falavam, que tiveram a oportunidade, forçada, de se encontrar, de conversar, de se entender e resolver seus dramas de anos de falta de comunicação e isolacionismo de seus membros. Muitas pessoas tiveram a oportunidade de desenvolver seus dotes culinários, ou artísticos, ou aprender a fazer jardinagem, a pintar quadros, enfim, tiveram a oportunidade de extravasar um dom que estava quieto, adormecido pela falta de oportunidade e de tempo. Aliás, tempo foi o que muitos tivemos de sobra, por conta da quarentena. E isso, para alguns foi um sofrimento, uma tortura. Para outros, uma oportunidade, uma nova janela que se abriu para novas iniciativas.
Por isso, sou de opinião que nós nunca deveremos blasfemar contra o ano de 2020. Ou de querer ver pelas costas, “já vai tarde!!!!” . Não!!!! 2020 foi o grande ano de nossas vidas! Foi o ano em que pudemos tirar várias vendas de nossos olhos e percebermos o quão vazia e inútil era a nossa vida até então!
Eu sou um grande fã deste trecho da Palavra de Deus, que resume para mim, o momento em que todos estamos passando:
Eclesiástico 2:1 Meu filho, se entrares para o serviço de Deus, permanece firme na justiça e no temor, e prepara a tua alma para a provação;
Eclesiástico 2:2 humilha teu coração, espera com paciência, dá ouvidos e acolhe as palavras de sabedoria; não te perturbes no tempo da infelicidade,
Eclesiástico 2:3 sofre as demoras de Deus; dedica-te a Deus, espera com paciência, a fim de que no derradeiro momento tua vida se enriqueça.
Eclesiástico 2:4 Aceita tudo o que te acontecer. Na dor, permanece firme; na humilhação, tem paciência.
Eclesiástico 2:5 Pois é pelo fogo que se experimentam o ouro e a prata, e os homens agradáveis a Deus, pelo cadinho da humilhação.
Que em 2021, todos nós sejamos melhores, menos egoístas, mais fraternos, buscando sempre o conhecimento, o auto conhecimento e vivermos na fraternidade, pois esses são os caminhos apregoados pelo nosso Cristo Jesus, quando de sua passagem por aqui, para que pudéssemos ser melhores.
Obrigado a todos pela paciência e pela amizade dispensada a mim e aos meus familiares. Amo vocês!!!! Gratidão!!!!!
Que venha 2021!!!!!

publicado por drtakeshimatsubara às 01:28 | comentar | favorito