19
Abr 21

A PERSEGUIÇÃO À HOMEOPATIA

A PERSEGUIÇÃO À HOMEOPATIA
Em 1910, os EUA já despontavam como uma grande potência econômica mundial.Após superado o trauma da guerra civil há meio século, com a vitória do Norte, industrial, sobre o sul, (os Confederados, os agricultores escravocratas e suas enormes fazendas de plantação de fumo e algodão) os EUA se lançaram num grande esforço de crescimento econômico, tornando-se uma pujante força econômica, com uma industria naval forte, uma industria petrolífera que dava contornos de grande potencia e dai, surgindo uma industria automobilística, que em pouco tempo, se tornaria líder mundial através das fabricas na região dos Grandes Lagos americanos, ao norte, tendo Detroit como a capital.
Nesse ínterim, o fortalecimento da industria petrolífera, com descobertas de enormes jazidas petrolíferas na região do Texas, dava origem a uma oligarquia, a dos Rockfeller, que em pouco tempo, tornar-se-ia num dos maiores bilionários mundiais com a sua industria petrolífera, tendo sido considerado o homem mais rico de toda a historia da humanidade, em todos os tempos, John Davidson Rockfeller, com a sua Standard Oil Company. Logo em seguida, este magnata percebeu que alem de servir de combustível para os automóveis, os derivados do petróleo precisariam ser usados para outros fins, dando origem a uma industria petroquímica, que daria origem ao mundo de produtos que fazem parte de nossa vida moderna, como os tecidos, os plásticos, os medicamentos etc.
Ao olhar para a industria farmacêutica, ele percebeu que o seu pais era uma terra sem lei, onde as faculdades de medicina eram livres para ensinar as mais diferentes formas de se fazer medicina, como a medicina ayurvédica, indiana, a homeopatia, a fitoterapia, a acupuntura, a medicina tradicional, etc. Percebeu que, a persistir aquele cenário, teria dificuldade para vender os seus medicamentos, derivados dos produtos petrolíferos. Forçou o Senado americano a compor uma comissão, liderado por Abraham Flexner, um pedagogo, para que este visitasse todas as faculdades de medicina dos EUA e fazer um relatório. A Fundação Rockfeller bancou todas as despesas com estadias, alimentação e mobilidade dos membros dessa comissão. Baseado neste relatório, em 1910, chamado Relatório Flexner, o Senado americano baixou uma lei, proibindo a pratica de todas as formas de medicina que não fosse a medicina alopática tradicional, e criando um grade curricular, composta de 2 anos de ensino básico, com matérias como anatomia, fisiologia, patologia, bioquímica, histologia, etc, seguido por outros 4 anos de prática da medicina propriamente dita, com ênfase nas quatro principais áreas, pediatria, ginecologia e obstetrícia, clinica medica e clínica cirúrgica e suas diversas ramificações. Em suma, o que é feito até os dias de hoje. Com isso, da noite para o dia, ele criou um mercado imenso para os seus medicamentos da sua industria farmacêutica. Fechou todas as escolas médicas de homeopatia, de fitoterapia, ayurvédica, etc que havia, desempregando milhares e milhares de médicos, que foram forçados a fazer especializações e se mudar para a medicina alopática. Este foi, em todos os tempos, o maior baque sofrido pela homeopatia, pois, como disse em textos anteriores, os EUA eram o berço de vários médicos homeopatas de renome, com dezenas de cursos de formação de médicos homeopatas, num periodo onde a relação de médicos alopatas e homeopatas foi de quase 1 para 1. Essa lei praticamente extinguiu a homeopatia nos EUA e fez com que a mesma passasse a ser perseguida em outros países da Europa também.
Com isso, a homeopatia praticamente se extinguiu no mundo todo, passando a ser uma medicina de nicho.
No Brasil, Benot Mure, um homeopata francês, desembarca em 21 de novembro de 1840, vindo de Paris, a convite da familia imperial. Influência a formação de vários médicos brasileiros e dissemina a especialidade pelo pais.
Em 1980, o Conselho Federal de Medicina emite a Resolução no. 1000/1980, reconhecendo a especialidade como uma área de atuação da medicina e permitindo a sua prática.
Através dos anos, diversas matérias de jornais e revistas tentam combater a prática homeopática, mas nenhuma foi tao intensa e tao dolorida, como a matéria do Fantástico de 2005, que arrasou com a pratica, chamando-a de charlatanismo e causando uma debacle dos pacientes dos consultórios médicos. Eu mesmo senti em parte esse ataque, mas, como dizia o dr. Archiduque Fernandes, contra a realidade dos fatos, não há argumentos, o fato de termos obtido tantas curas e tantas vitórias ao longo dos anos, fez com que os pacientes entendessem que aquela matéria era mais uma daquelas, tendenciosas, patrocinadas pela industria farmacêutica, para combater uma pratica que estava atrapalhando os seus negócios. Como diz o ditado popular, “ninguém chuta cachorro morto”!
Espero com esses assuntos divididos em capítulos, ter permitido um breve relance sobre a especialidade e suas características.
Obrigado a todos pela paciência de ler tantos textos!

publicado por drtakeshimatsubara às 16:11 | comentar | favorito

A HOMEOPATIA E SUAS DIFERENTES ESCOLAS

A HOMEOPATIA E SUAS DIFERENTES ESCOLAS.

Fundada na Alemanha em 1796 pelo médico Samuel Hahnemann, a homeopatia ganhou o mundo, tornando-se extremamente popular na Europa toda, durante o século XIX, até chegar aos Estados Unidos, onde também se difundiu enormemente.
Depois de Samuel Hahnemann, o médico americano, James Tyler Kent, foi a segunda figura mais importante para a história da homeopatia, desenvolvendo diversos estudos, criando novos medicamentos, desenvolvendo o chamado repertório médico, que é o mecanismo que nós homeopatas utilizamos até os dias de hoje, para descobrir qual o medicamento homeopático mais indicado, a chamada repertorizacao homeopática. O repertório é um livro grosso, cujos capítulos são divididos pelos sintomas mentais, gerais e locais.
A descoberta de cada novo medicamento é feito pela chamada experimentação em pessoas sadias. Ou seja, faz-se um estudo cientifico, onde um determinado remedio homeopático novo é tomado por um determinado período. Aquela pessoa, descreve num caderno, todos os sintomas que ele observa em seu corpo e no seu mental. A junção de todos esses materiais é transformado na chamada matéria médica daquele determinado remedio.
Ao se fazer o estudo das matérias médicas, notamos que determinado remedio causa tais e tais sintomas Por exemplo que o medicamento Arsenicum álbum provoca, se tomado por uma pessoa sadia, o sintoma de ansiedade, de queimação na pele, diarreia, vômitos, perda de peso rápida, etc. Na rubrica do repertório, no sintoma ansiedade, diarreia, vômitos queimação de pele, etc, vou ter o medicamento Arsenicum álbum. Se numa consulta o paciente me diz que ele é ansioso, que tem a sensação de queimação na pele, que ele costuma ter diarreias volumosas e que desidratam rapidamente, etc, vou prescrever Arsenicum álbum para aquele paciente.
Ao longo da história da homeopatia, a mesma foi dividida em duas escolas, uma tradicional, hahnemaniana, que prescrevia um único remedio para cada paciente, as vezes esse mesmo remedio é tomado a vida toda pelo paciente, em diferentes potencias e dinamizaçoes. Já a escola francesa, aquela que eu sigo, usa mais de um remedio para cada paciente. São as escolas unicistas, de um único remedio para o paciente e a escola pluralista, de vários remédios para cada paciente. Isto se deve a um viés filosófico, de acordo com cada escola. Os unicistas, acreditam que todos os sintomas são provenientes apenas da mente e que um único remedio, que cubra todos os siotomas, é suficiente para tratar o doente. Já a escola francesa, a pluralista, acredita no chamado organicismo, ou seja, alem da mente doente, temos os órgãos que adoecem e ambos precisam ser tratados, ou seja, o corpo e a mente. Está é uma discussão tremenda nas associações e entidades que englobam os médicos homeopatas, sendo que os unicistas dizem que os organicistas não são homeopatas e com isso, menosprezando o trabalho destes. Tanto é que o critério para voce ser admitido nas entidades de classse dos homeopatas é que vc não seja um pluralista. Eu sempre enxerguei tudo isso como ma grande bobagem e por isso, nunca fiz questão de participar dessas entidades.
O fato de eu ter me tornado pluralista, embora tenha me formado por uma escola unicista, foi o fato de eu ter feito estagio e de ter aprendido a pratica homeopata com o dr. Archiduque Fernandes, que sempre defendeu esta pratica de mais de um remedio por prescrição. Como se diz no futebol, estou há 30 anos nessa pratica e como sempre obtive bons resultados, não vejo motivo para mudar. Ou seja, em time que esta ganhando, não se muda os jogadores. Embora algumas vezes eu pratique o unicismo, não me vejo preso a isso e essa liberdade, dá para mim uma margem de acerto para os paciente muito maior. Acredito que beneficiar o paciente esteja acima das brigas politicas entre os médicos homeopatas do Brasil.
Como vou citar no próximo capitulo, a medicina homeopática sempre viveu a perseguição das entidades de classe e da ciência medica tradicional, diga-se, industria farmacêutica. Cada vez que um medico homeopata trata um paciente e deixa de usar os medicamentos da industria farmacêutica, ele esta contribuindo para diminuir os lucros de tal industria. Se muitos médicos iniciam essa pratica, ela pode prejudicar de maneira mais contundente todo o esquema de enriquecimento dessa industria.
Por isso, é com extrema tristeza que eu assisto essa briga entre os próprios médicos homeopatas, principalmente dos unicistas, de perseguir e falar mal dos pluralistas, quando a união nesse mar com tantos cardumes de tubarões, seria muito mais vantajoso para todos.
No próximo capitulo, vou descrever com mais detalhes essa perseguição da industria farmacêutica sobre a homeopatia e como ela quase acabou com essa pratica.
Aguardem o próximo capitulo.

publicado por drtakeshimatsubara às 16:09 | comentar | favorito

O QUE É A HOMEOPATIA?

O QUE É A HOMEOPATIA

A homeopatia é uma especialidade médica, reconhecida pelo CFM desde 1980 no Brasil. Foi criada por um médico alemão, Samuel Hahnemann, em 1796, há mais de 200 anos portanto.
Hahnemann era um médico que havia se formado com extrema dificuldade e, ao iniciar a sua prática, percebeu que os medicamentos e a prática da época eram extremamente agressivos, como sangrias, uso de sanguessugas, uso de medicamentos extremamente tóxicos.
Ao sofrer uma perda de um ente querido devido aos efeitos tóxicos dos remédios, ele abandonou a medicina e passou a viver de tradução de textos, pois ele era um exímio tradutor, conhecedor de várias línguas além do alemão. Ao traduzir um dos textos de Matéria médica da época, o remedio Cinchona oficinais, a china, que dá origem ao medicamento hidroxicloroquina, (hoje tão em voga devido à pandemia de coronavirus,) pois o mesmo era uma planta nativa do Peru, que era utilizado pelos índios descendentes de incas no tratamento da malária e que havia sido levado para a Europa pelos colonizadores espanhóis, e era utilizado com a mesma finalidade que os indígenas, percebeu várias inconsistências na explicação sobre a eficácia desses medicamentos, que era atribuído a efeitos tônicos no estômago. Resolveu experimentar nele mesmo o remedio, tomando as doses recomendadas de uma dracma do medicamento, medida usada na época. Após algum tempo, ele percebeu que o efeito tóxico do remédio era em tudo semelhante aos sintomas da doença malária, ou seja, febre, calafrios que duravam 3 dias, suores frios, náuseas, vômitos, dores musculares pelo corpo todo, etc. Devido à toxicidade da dose que ele tomou, resolveu experimentar diluir a dose e percebeu que o efeito era o mesmo, ou seja, mesmo ele diluindo o medicamento, ele obtinha os efeitos, ou seja, tinha os mesmos sintomas. Resolveu sucussionar ou seja, agitar e percebeu que o efeito era aumentado. Estava criado a homeopatia, cujas leis principais são a lei da semelhança, ou seja, o medicamento para a malária funcionava, porque aquele medicamento, China, quando era tomado por pessoas sadias, provocava na pessoa os mesmos sintomas da doença que ele curava. A China curava a malária porque provocava, quando tomado, os mesmos sintomas da malária. Além disso, ao ser diluído e sucussionado, ele perdia o efeito tóxico, mas mantinha os efeitos medicamentosos, algumas vezes, ele se tornava até mais eficaz. Hahnemann dizia que o medicamento diluído e dinamizado estimulava a Energia Vital do organismo e esta reagia, provocando o efeito curativo. Traduzindo para os dias de hoje, transformemos Energia Vital em Sistema imunológico. O remedio homeopático funciona, pois ele cutuca, ele estimula o sistema imunológico para que esta reaja e provoque o efeito curativo.
Tanto é verdade que o Arsenicum álbum, que nós vemos em filmes sendo usado como um veneno poderoso, mortal, é hoje um medicamento homeopático extremamente eficaz, sem nenhum risco ao paciente, se tomado formulado como medicamento homeopático, ou seja, diluído e sucussionado. funcionando de maneira extremamente eficaz no controle da ansiedade, da angústia, da agitação psicomotora, etc.
A medicina tradicional, a alopatia, sempre funcionou seguindo a lei dos contrários. Ou seja, se eu tenho uma febre, eu uso um remedio que combate a febre, o antitérmico. Se quero efeito de analgesia, ou seja, de combater a dor, uso o analgésico. O antibiótico (anti a vida biológica) mata a bactéria e obtenho a cura da amigdalite pois mato a bactéria que causa a infecção. o anti inflamatório, combate a reação inflamatória e com isso, não tenho a dor, o inchaço, a vermelhidão e a febre. etc. Se eu tenho uma insônia, eu tomo um remédio que combate a insônia, ou seja, dá sono. Mas, tudo na vida, funciona como um pêndulo, ou seja, aquilo que causa determinado efeito, terá em seguida, um efeito colateral, que será o efeito oposto. Ou seja, se eu tomo um medicamento contra a insônia, passado o efeito primário, teremos o efeito secundário, o chamado efeito colateral, que será novamente a insônia. Aí, o médico alopata aumenta a dose, para anular esse efeito colateral. Ou muda para um outro remedio. A homeopatia funciona pelo efeito colateral, ou seja, quando aquele determinado remedio provoca um xis efeito colateral se eu uso por essa lógica, eu anulo o efeito colateral e obtenho a cura. Essa é a lógica um pouco difícil de se entender, mas ela é fundamental, ou seja, estamos tratando baseados no fato de que queremos tratar pelo efeito colateral. Se o remedio Passiflora incarnata, a flor do maracujá, se tomado, num primeiro momento ele causa uma insônia, um efeito rápido e depois, ela provoca uma sonolência imensa, que seria o seu efeito colateral ou secundário. Por isso, o saber popular prescreve o chá da flor de maracujá para tratar insônia. O remedio homeopático, Passiflora incarnata, é utilizado para tratar insônia de maneira extremamente eficaz. Essa é a lei da semelhança, ou seja, eu tomo um remedio que causa insônia, para tratar insônia, pois o efeito colateral dela é causar sonolência, e é esse efeito medicamentoso que eu quero. Se a medicina alopática entendesse essa lei, já teríamos um avanço tremendo na medicina e pararíamos de fugir do efeito colateral, pois ela é muito mais duradoura do que o efeito primário. Os pajés e os raizeiros perceberam isso, pois a fitoterapia(medicina pelo uso de plantas, raizes e sementes naturais) funciona muitas vezes por esse princípio. Mas....
Continua no próximo capitulo.

publicado por drtakeshimatsubara às 16:09 | comentar | favorito
19
Abr 21

CENTRO HOMEOPATICO

CENTRO HOMEOPÁTICO
A construção do primeiro Centro Homeopático de saude publica de Dourados, Dr. Santiago Martínez dos Santos, na rua João Vicente Ferreira, foi inaugurado no dia 20 de maio de 1992, num prédio alugado, que infelizmente tinha problemas estruturais crônico, de telhado sem inclinação que inundava todas as vezes que caia uma chuva mais forte. Mas isto foi culpa minha e de um colega, pois fomos nós que fomos atrás do imóvel para alugar e como eu não entendo até hoje de construção, passou batido essa falha, o que, infelizmente, não permitiu vida longa para nosso posto de saude, que teve que se mudar por duas vezes, até a construção da obra própria, que falaremos adiante. Foi uma obra do primeiro governo Brás Melo, mineiro conterrâneo do Dr. Archiduque Fernandes, da regiao de Mutum, MG. Em homenagem ao seu amigo e conterrâneo, Brás não se recusou a atender todos os nossos pedidos, inaugurando uma obra que era pioneira no atendimento gratuito na especialidade de homeopatia no Brasil. Sob a batuta da Elizeth e do Dr. Eduardo Marcondes, secretário de saude da época, iniciamos o atendimento na especialidade.
Apesar dos problemas, ficou um prédio muito bonito, com pinturas lindas de um artista da nossa cidade, Cello, que pintou as paredes com verdadeiras obras primas. No estacionamento, a Elisete fez questão de plantar ervas medicinais e plantas diversas, dando um colorido especial.
O Dr Archiduque Fernandes havia desenvolvido um método, onde nós consultávamos o paciente para saber qual o seu problema. Feito isto, e se fosse constatado que o paciente apresentava problemas crônicos, o mesmo era encaminhado para o serviço de psicologia, que era chefiado pela psicologa Waldenil Rolim, que fazia uma consulta psicológica, desenvolvia o que chamamos de psicodiagnóstico, devolvia para nós os sintomas mentais importantes. Com isso, facilitava demais o nosso trabalho de buscar o medicamento homeopático mais indicado.
O corpo clinico era liderado pelo dr. Archiduque, dr. Ailton Salviano, Dr Nelson Kozoroski, Dr Leidniz Guimaraes, Dr. Laidenss Guimaraes, Dra Eliane Guimarães, dra Alice Kozoroski e eu. Posteriormente, a dra Janis Naglis Faker entrou para a equipe de psicologia, juntamente com dra Waldenil. Tivemos vários funcionarios administrativos mas não quero citar nomes, para não ser injusto e deixar algum nome de fora, pois foram muitos ao longo dos anos. Mas todos eles, absorveram o espírito homeopático e passaram a ser clientes fieis dos médicos da especialidade.
Devido ao problema do telhado, poucos anos depois, nós nos mudamos para a parte dos fundos do Centro de Saude tipo A e finalmente, em 2000, já no segundo mandato do prefeito Brás Melo, também com Eduardo Marcondes como secretário de Saúde, inauguramos o Centro Homeopático de Saúde Publica de Dourados, na Rua Monte Castelo, esquina com Avenida da Liberdade.
Como podem perceber, sem querer jogar confetes e puxar saco de ninguém, Brás Melo foi o prefeito que deixou, entre suas marcas para a cidade, a construção de dois Centro Homeopáticos de Saúde publica em Dourados. Foi o prefeito que abraçou a causa da homeopatia, nào apenas em virtude do respeito que ele e todos nós tínhamos pelo dr. Archiduque, mas sim, pela visão de longo prazo sobre a importância da obra para a cidade. Bem como o secretario de Saúde, Eduardo Marcondes, que sempre abraçou a causa e foi um grande defensor da causa homeopática.
Infelizmente, o governo anterior, de Délia Razuk, sob o pretexto de fechar para reforma, cerrou as portas dessa obra dos sonhos, permitindo que aquela estrutura fosse abandonada, deixada para ser local de uso de drogados e moradores de rua. Como bem disse a dona Rosalina Rebeque nos comentários, dói o coração passar em frente e ver aquela obra abandonada, com o mato crescendo em volta, com vidros quebrados, sem que nenhuma obra fosse implementada para reformar, como prometido. Por isso, embora leve uns puxões de orelha de minha amiga Rose Mary Montiel Scherer, que me pede para não escrever sobre política, para eu não me estressar e não arrumar inimizades, a verdade tem que ser dita, os bons politicos tem que ser exaltados e os maus politicos citados, para que a populacao saiba quem é e quem foi quem em nossa história.
Continua no terceiro capítulo.

publicado por drtakeshimatsubara às 16:08 | comentar | favorito