PAULO GUSTAVO

PAULO GUSTAVO

A morte do ator Paulo Gustavo, depois de 2 meses de agonia, em UTI, por complicações da Covid 19, já seria em si um fato  a ser lamentado  profundamente pela perda, pois se tratava de um ator extremamente talentoso, jovem, com 42 anos, no auge de sua carreira de sucesso, onde o principal destaque eram suas interpretações como Dona Herminia, uma mulher sem papas na língua, que ele dizia ter sido inspirado em sua mãe.

Porém, algumas reações que elas suscitaram nas redes sociais, muitas delas de cunho extremamente preconceituoso e maldoso, nos fazem refletir sobre a nossa condição humana.  Alguns disseram que Deus estava castigando, por causa de suas opções sexuais! Outros, que seria julgado e condenado pelo tribunal divino! A maioria desses comentários maldosos e preconceituosos, vinham de pessoas que se diziam evangélicos, católicos e outras denominações.

Eu sempre tive comigo que o Deus Yahveh, ou Jeová, era para mim motivo de preocupação, pois não consigo imaginar um Deus, Todo Poderoso, criador do Universo, que fosse partidário, que tivesse lado, que elegesse um povo, o povo de Israel na face da terra e o defendesse nas guerras, contra o inimigo, o inimigo que também, em tese, seria filho desse mesmo Deus, se ele é onipotente onisciente e onipresente. É a mesma coisa que nós vemos hoje nos campos de futebol, quando um jogador de futebol, após marcar um gol, aponta para o céu e agradece, como se Deus o tivesse favorecido, para que ele pudesse marcar um gol no time adversário, composto também de jogadores, que também em tese, seriam filhos desse mesmo Deus!

Quando um filho desse Deus, que frequenta templos ou igrejas todos os dias, que reza todo santo dia, que não falta a uma missa, que entra na fila da hóstia e recebe o corpo de Jesus toda a semana, passa a tecer comentários preconceituosos, como temos visto ultimamente nas paginas sociais, sobre a doença e agora a morte do ator Paulo Gustavo, isso nos causa uma tremenda preocupação! A partir do instante que ele se julga melhor, que ele se julga no direito de apontar o dedo, de criticar e de julgar o nosso irmão, na minha concepção, esse irmão não esta aprendendo muito bem os conceitos religiosos sobre Deus.

Há dois mil anos, Deus enviou o seu filho dileto, Jesus, para vir para a terra, para encarnar entre nós, para viver no meio do povo comum e poder pregar, ensinar ao seu povo, que Deus, é um Deus de Amor, um Deus de compaixão, um Deus que ama seus filhos, mesmo nos nossos erros. Os seus ensinamentos foram imensos, foram tão grandes, que seus seguidores, principalmente Paulo de Tarso, entendeu que eles não podiam pregar a Palavra apenas para os judeus, para os tidos como filhos de Deus, mas sim, que a boa nova teria que ser esparramada para o mundo, para todos os povos da face da terra, pois todos somos filhos de Deus, pois não existe povo escolhido! Portanto, existe claramente um tempo antes da vinda de Jesus, que está no Velho Testamento, onde Jeová Deus seria esse Deus vingativo, colérico, que exigia sacrifícios, que pedia para Abrahão sacrificar o seu filho amado! E há o período depois da vinda de Jesus, onde o Deus não seria o mesmo, seria um Deus de Amor.

Infelizmente, a população ainda abraça os conceitos do Velho Testamento como verdade absoluta e partem para essas mistificações e falas duras e preconceituosas.

O que eu não aprovo, é a tentativa que os governos de esquerda fizeram no Brasil, até recentemente, de tentar institucionalizar o homossexualismo como a regra, como as tentativas de instituir a questão de gênero em leis, em cartilhas escolares, etc. A politização da sexualidade, é algo que deve ser condenado.

Já a opção sexual, o homem que ama outro homem, ou uma mulher que ama outra mulher, isso é uma questão pessoal, nunca uma questão social. Nós não temos nada a ver com as escolhas e preferências de cada um. Se um filho nosso resolve pela homossexualidade, a nós, pais, cabe amar do mesmo jeito, apoiar, acolher esse filho e seu companheiro.

Por isso, espero, em Deus, que essas pessoas preconceituosas revejam os seus conceitos. Muitos deles, deveriam buscar uma terapia, para avaliar se não estão fazendo um processo psicológico chamado de transferência, que já citei aqui várias vezes, pois muitos dos críticos ferozes do homossexualismo, são na grande maioria, homossexuais enrustidos, pessoas que têm um medo tremendo delas serem aquilo que tanto criticam!

Por isso, meus irmãos, vamos amar mais, vamos ter mais compaixão, mais fraternidade, vamos tentar aplicar os ensinamentos que Jesus Cristo nos trouxe de praticar o ato de amar sem medidas, sem limites, sem que esse amor seja seletivo, tipo, ah, esse irmãozinho é gay, não merece o meu amor!!!

Sejamos mais verdade e menos hipocrisia!!!!!!

Amém!

publicado por drtakeshimatsubara às 12:46 | favorito